DECOLONIZAÇÃO DO CORPO, ARTE E MODA

com Dayana Molina (RJ), Sallisa Rosa (GO) e mediação de Idjahure Kadiwel

A arte de mulheres no cenário urbano ou rural em foco como ferramenta para decolonização dos corpos carregados de roupagens que não os pertencem. Libertar identidades e criar novas visões por meio da moda, fotografia e artes visuais é a ousadia desafiante para ocupar espaços restritos de invisibilidade para pessoas indígenas.

  • Instagram - Cinza Círculo
  • Facebook - círculo cinza
  • YouTube - círculo cinza

06/03 - 19h

(sábado)

Dayana Molina2.jpeg

Dayana Molina (RJ)

Dayana Molina é uma estilista expoente. Atua há 12 anos na indústria criativa de moda. Ativista indígena, stylist, diretora criativa e pós graduanda em sociologia da arte. Há 4 anos criou sua marca autoral, a NALIMO (@oficialnalimo).

Sallisa Rosa.jpeg

Sallisa Rosa (GO)

Sallisa Rosa atua com a arte como caminho e experiências intuitivas, ficção, identidade e natureza, sua prática circula entre fotografia e vídeo, mas também instalações e obras participativas.

Foto Idjahure.jpg

Idjahure Kadiwel

Idjahure Kadiwel é poeta e antropólogo, sendo atuante também como editor, tradutor, intérprete e roteirista. Nascido no Rio de Janeiro, é pertencente aos povos Terena e Kadiwéu, do Pantanal sul-mato-grossense. É graduado em Ciências Sociais pela PUC-Rio (2017) e mestre em Antropologia Social pelo Museu Nacional/UFRJ (2020). Seus trabalhos e pesquisas enfocam as etnomídias e as artes indígenas. Desde 2016 é correspondente da Rádio Yandê. É coeditor da coleção Tembetá (Azougue Editorial 2017-2019), editor do catálogo bilíngue da exposição Véxoa: Nós sabemos (Pinacoteca de São Paulo 2021) e pesquisador do programa de residência MAM | Capacete 2020.